© 2019 Todos os direitos reservados

"Amigo é casa"

 

Há um samba de Capiba e Hermínio Bello de Carvalho que tem como título uma verdade inquestionável: “Amigo é casa”, pois “amigo é feito casa que se faz aos poucos e com paciência pra durar pra sempre”. Os amigos garantem nossa liberdade de existir o mais e completo e imperfeito, pois são capazes de nos amar inteiramente. Poucas famílias compreendem e aceitam quem somos, há muitas restrições nas relações de sangue, mas os amigos sabem do nosso inteiriço, com suas zonas de escuridão e tempestade, e sua beleza.

 

A inauguração da Casa não se restringiu à noite de 24 de junho, mas estendeu-se para inúmeras outras. Passamos a receber mais e mais visitas, muitas de amigos saudosos outras de curiosos, que Brucutú organizava, encaixando-as na rotina de trabalho da Senhora H. Desde o início, vinham visitá-la amigos poetas, escritores, jornalistas, atores e atrizes, artistas plásticos, depois também admiradores, fãs, estudiosos. Passavam as tardes na varanda, alguns atirados em redes, ou no pátio quando o calor dava uma trégua, os passeios pelo jardim e pelo campo da Fazenda. As conversas animadas sobre todos os assuntos, sobretudo Literatura, Filosofia, Ciência, encantava quem chegava pela primeira vez. Um espaço para o encontro e a troca, era essa a vocação da Casa, por isso não tardarão os convites para alguns deles residirem conosco. Veremos em festas, claro está, os aniversários e datas comemorativas celebrados sempre com muita gente, bebida, comida e música.

 

A Senhora H adorava conversar e queria saber tudo, como lembra sua amiga Ana Lu: “Ela se relacionava com gente culta, lógico, mas também tinha esta afetividade com os empregados, com a governanta que eu conheci e que viveu seus últimos anos lá na Casa do Sol. Ou seja, tudo para ela era importante: as pessoas, os bichos, os cachorros que adorava, os pássaros, as plantas, os insetos que ela ficava observando como conta desde que era pequena”.

 

"A Casa da Senhora H", romance de Juarez Guimarães Dias

Prêmio Funarte/ Biblioteca Nacional de Criação Literária

Versão final em processo

 

Ph: Acervo do Instituto Hilda Hilst

 

 

Please reload