© 2019 Todos os direitos reservados

[JULHO] "EUCAIO" estreia no Teatro de Cama, Vidigal, Rio de Janeiro

12.6.2015

"EUCAIO"

Solo de Matheus Soriedem

Dramaturgia e Encenação de Juarez Guimarães Dias

 

ESTREIA

 

4, 5 6 de julho de 2015

Teatro de Cama

Morro do Vidigal - Rio de Janeiro (RJ)

Informações: Alysson Amaral +55 (31) 9187-7666

 

 

EUCAIO é um retrato de um dos períodos mais amargos da história recente do Brasil, o decreto do AI-5 durante a Ditadura Militar, que censurou, acima de tudo, as atividades intelectuais, sociais, políticas e de cunho comunista. A criação partiu de uma pesquisa da repressão ao corpo por meio do medo e da violência, em diálogo com fatos e documentos históricos, músicas, cartas e fragmentos do premiado livro de contos do jovem escritor Caio Fernando Abreu, “O inventário do ir-remediável”, finalizado quando viveu com a escritora Hilda Hilst na Casa do Sol, fugindo da perseguição do DOPS. Num ambiente marcado pelo autoritarismo, Caio encontrou na literatura uma alternativa para se manifestar e se opor ao sistema ditatorial e conservador brasileiro.

 

Duração/ 40 min

Classificação/ 14 anos

 

FICHA TÉCNICA:

Criação e Pesquisa: Juarez Guimarães Dias e Matheus Soriedem

Atuação e Produção: Matheus Soriedem

Dramaturgia, Espaço Cênico e Encenação: Juarez Guimarães Dias

Direção de Movimento: Sitaram Custódio

Preparação Vocal: Priscilla Cler

Operação de luz e som e Assistência de Produção: Pâmela Malta

Audiovisual: João Victor Alves

Fotografia: Kiu Meireles

Orientação Sociológica: Mara Greide

Produção Executiva: Alysson Amaral

 

CAIO FERNANDO ABREU

Consagrado escritor e jornalista brasileiro (1948-1996), durante sua juventude viveu intensamente a época da Ditadura Militar. Considerado um dos expoentes de sua geração, o autor tem como marcas uma escrita muito confessional, abordando temas como o medo, a morte, o amor, as opressões sociais e a solidão. “O inventário do ir-remediável” foi vencedor do Prêmio Fernando Chinaglia e publicado em 1970:

 

“Viver é, constantemente, construir, não derrubar.”

 

 

 

 

Please reload